retinaHá mais de 150 anos o descolamento de retina é um dos problemas mais sérios de visão. A retina é a camada que existe no fundo do olho, responsável por receber imagens e transformar em estímulos neurológicos encaminhando até o cérebro.

Quando essa retina sai de posição ela está descolada, e isso faz com que a imagem que estamos querendo enxergar chegue até o fundo do olho. Mas como a retina está fora de posição, ela não consegue ser encaminhada até o cérebro.

 

Existem três tipos descolamento de retina: Regmatogênico é o mais comum; Tracional, relacionado a tração da retina, e o Exsudativo que é a reação inflamatória da retina, segundo o site Day Horc.

A idade mais comum para ocorrer é após os 40 anos de idade. Além dos pacientes míopes (2 a 3 graus de miopia),também os pacientes hipertensos podem sofrer do mal. Os dados indicam que menos de 0,6% da população santista apresenta este tipo de problema, segundo o oftalmologista.

Os sintomas são flashes luminosos subsequentes a formação de moscas rolantes.

Tratamentos – Já os tratamentos dependem do tipo de descolamento. No Regmatogênico, é feita a vitrectomia, isto é, a aplicação de implantes de silicone dentro do olho. No Tracional, varia do estado do descolamento. Se ele for precoce, o tratamento é com laser e terapia. Se mais tardio, é feita vitrectomia para eliminar a fração e a retina voltar a posição. No Exsudativo também é à laser.

Os casos mais graves são considerados os Regmatogênicos da retina superior ou o tracional que envolve normalmente os diabéticos, que muitas vezes têm outros problemas associados como insuficiência renal e anemia.

Fonte: unisanta