Lentes de contato podem ser usadas mesmo por quem tem alergia

Início/Destaque/Lentes de contato podem ser usadas mesmo por quem tem alergia

Lentes de contato podem ser usadas mesmo por quem tem alergia

Cerca de 56% da população brasileira precisa de alguma ferramenta para corrigir a visão. A maioria dessas pessoas utiliza os óculos e têm vontade de usar lentes de contato, grandes aliadas para quem tem um grau elevado de miopia, hipermetropia, astigmatismo ou presbiopia. Elas são, muitas vezes, a salvação para quem não quer usar os óculos com lentes pesadas, os famosos “fundos de garrafa”. Porém, muitos têm dificuldades em se adaptarem às lentes por conta de problemas alérgicos.

Para algumas pessoas, os óculos também podem se tornar empecilhos no desenvolvimento de atividades diárias, como por exemplo praticar atividade física ou sair à noite para se divertir. Existem vários tipos de lentes de contato: cosméticas, corretivas, terapêuticas e corretivas cosméticas. Elas podem ser ainda gelatinosas ou lentes rígidas gás-permeáveis, quando tratamos sobre o material de que são produzidas. Cada paciente requer um tipo, dependendo do tipo de problema que apresente, se há alguma alergia ou outro tipo de problema de saúde a ser observado.

Porém, por serem objetos que ficam em contato direto com o olho, elas necessitam de um cuidado maior para evitar contaminação. A higiene das mãos é fundamental na hora de colocá-las e elas devem sempre ser mantidas higienizadas num frasco específico e embebidas em solução apropriada.

O oftalmologista Daniel Silveira explica que o principal fator para a busca de lentes de contato é a independência, o que deve ser feito sempre com um acompanhamento adequado. “Recomendamos muito lentes de contato para pacientes que querem uma independência dos óculos para sair, para trabalhar”, destaca.

Além disso, o médico acrescenta que existem vários tipos de indicações para quem quer usar lentes. “Pacientes que são míopes podem usar, pacientes que são hipermetropes, que têm astigmatismo, paciente que tem alguma alteração na córnea, pacientes que têm, por exemplo, um grau diferente em um olho muito grande em relação ao outro e que os óculos não deixam um equilíbrio para ele se acostumar com a visão podem usar lentes de contato. E temos pacientes que possuem alguma patologia de córnea e que podem usar”, explica Daniel, destacando que parte da busca é por questões estéticas: “Existem ainda as lentes de contato que são usadas por questões estéticas, para os pacientes que querem por algum motivo mudar esteticamente a coloração do olho. São as lentes cosméticas, as chamadas lentes de cor. Além disso, temos as lentes terapêuticas, indicadas para pós-operatório de cirurgia refrativas”, finaliza.

Com relação a possíveis problemas com o uso, como alergias, Daniel destaca que o tratamento é fácil quando recebe orientação adequada. “No caso de alergias, não existe uma contraindicação absoluta para lentes de contato, contanto que você trate a alergia com colírios, o paciente pode utilizar as lentes da melhor forma possível, principalmente as lentes gelatinosas, que causam muita intolerância e até alergias aos próprios materiais de confecção das lentes, que você pode mudar e tratar o paciente”, explica.

As novas tecnologias estão permitindo que os pacientes tenham cada vez mais possibilidades para tratarem seus problemas de saúde sem deixar de lado alguns aspectos da vida que lhes são caros. As lentes de contato são um exemplo disso. Seja por uma noite, para curtir uma festa, ou pelo resto da vida, para se sentir livre em relação aos óculos, as lentes trazem mais qualidade de vida a quem tem problemas de visão.

Reprodução: Diário do Povo, Teresina – PI, Seção Saúde, Página 3, 30 ago 2017.
Thaís Loiola
Editora de Saúde

2017-09-15T09:16:41+00:00 15/09/2017|Destaque|