A pandemia de COVID-19 provocou uma série de mudanças na rotina em todas as áreas da sociedade. Na área da oftalmologia um problema vem preocupando, que é o aumento dos casos de miopia entre as crianças neste período. O confinamento é apontado como principal motivo, com o aumento do uso de telas e diminuição nas atividades ao ar livre.

De acordo com dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), entre 2020 e 2050, estima-se que a alta miopia cresça 89% no Brasil. Um estudo publicado no jornal acadêmico JAMA Ophthalmology investigou  a relação do confinamento e o aumento de casos de miopia entre crianças na China. Realizada desde 2015, a pesquisa testou 123.535 crianças, com idade entre 6 e 13 anos. O resultado mostrou uma prevalência da miopia, aproximadamente três vezes maior em 2020 se comparado com números anteriores.

Dr. Daniel Silveira, oftalmologista, destaca que o estudo publicado pela OMS vinculado com algumas revistas científicas oftalmológicas é baseado nos últimos cinco anos, onde as crianças vem trocando as atividades recreativas por telas de smartphones, tablets e computadores.
“Essas telas que são usadas inadvertidamente por um tempo prolongado, sem pausa, leva as crianças a gerarem uma pseudomiopia, que se não diagnosticada pelo médico precocemente e pelos seus pais, essa pseudomiopia pode gerar uma miopia verdadeira”, explica o médico.

O oftalmologista ainda pontua que é importante encontrar um equilíbrio, entre as atividades ao ar livre e as telas, pois a exposição à luz do sol melhora a parte da esclera, que é conhecida como o branco dos olhos, diminuindo a chance de gerar essa pseudomiopia.

Além disso, também é importante ficar atento aos problemas visuais que podem ocorrer em cada fase da vida e procurar um especialista para buscar orientação correta sobre a melhor medida preventiva ou o tratamento mais indicado.