Cerca de 46% da população com mais de 65 anos sofre com a doença de catarata em todo o mundo. O problema consiste na opacidade total ou parcial do cristalino, região que afeta o foco da visão, seja para objetos próximos ou distantes. O mal provoca a diminuição da visão e pode levar à cegueira.

Ao todo, o Brasil tem 2 milhões de pessoas com catarata, e soma 120 mil novos casos a cada ano. Por ser uma doença comum, é importante observar os sintomas para poder buscar ajuda médica logo no início, e assim evitar maiores dificuldades. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, mais da metade dos casos de cegueira em todo o mundo são provocados pela catarata.

A doença prejudica a qualidade de vida do paciente por dificultar tarefas do cotidiano, como ler, dirigir e assistir televisão, por exemplo. É importante manter a saúde em dia e fazer exame de vista uma vez por ano, tendo em vista que o mal é silencioso e pode chegar de forma lenta sem ser percebido.

Apesar de ser mais frequente em pessoas com mais de 65 anos, a catarata pode ocorrer em qualquer período da vida, afetando  até mesmo crianças e bebês. Observe se o seu filho demonstra sinais de ter alguma dificuldade na visão e procure por ajuda médica em caso de dúvidas.

 

Sintomas da Catarata

– Maior sensibilidade à luz;

– Alteração da visão de cores;

– Sensação de visão “nublada”;

– Dificuldades em dirigir à noite;

– Diminuição da acuidade visual;

Os sintomas podem evoluir para dores fortes, mudança repentina na visão ou visão dupla. Nesses casos, é recomendado procurar ajuda médica rapidamente.

A catarata pode surgir por diversos motivos, sendo as causas mais comuns: avanço da idade, acidente que provoque trauma, diabetes, uso de determinados medicamentos por tempo prolongado ou gravidez. Este último caso é conhecido como catarata congênita, que ocorre por doenças que afetam mãe e feto durante o período de gestação.

Os maiores fatores de risco são: idade, diabetes, exposição excessiva à luz solar, consumo de bebidas alcoólicas, histórico familiar, radiação utilizada em tratamento de câncer, obesidade, tabagismo e pressão arterial elevada.

 

Tratamento e cura

A boa notícia é que essa doença tem cura. Para isso, o paciente precisa passar por uma cirurgia que consiste em substituir o cristalino opaco por uma prótese denominada de lente intra-ocular (LIO). O procedimento é realizado com anestesia local, sendo rápido e indolor. Dessa forma, não é preciso passar pelo processo de internação após a intervenção, o que possibilita a alta do paciente no mesmo dia, apenas observando os cuidados recomendados pelo médico.

Observe a evolução dos sintomas e informe ao médico todos os detalhes, como histórico de outras doenças, medicamentos que está tomando e as trocas de prescrição de óculos, fator que também influência no surgimento da doença.

Avalie a frequência e a gravidade de cada sintoma e não espere que os sintomas aumentem a ponto de afetar seu dia a dia para buscar ajuda médica. O diagnóstico é simples e rápido, então marque uma consulta em casos de dúvidas.